12 anos de How I Met Your Mother | Relembre momentos marcantes da série

19/09/2017 às 20:29hs

Desde Seinfield, comédias que mostram um grupo de amigos em Nova York se tornaram quase que um novo gênero das séries de TV, porém, poucas foram marcantes. Além da citada anteriormente, só algumas tiveram personagens queridos e uma história que instigasse o público, e uma delas com certeza é How I Met Your Mother.

A história de Ted (Josh Radnor) até encontrar a mãe de seus filhos tem vários alto e baixos, histórias bizarras, e acima de tudo, muita lição pra todos nós. Devo dizer que conheci a série em um momento turbulento da vida, e todo o aprendizado dos personagens me ajudaram a aprender também. Por isso, hoje vou listar aqui alguns dos meus momentos favoritos de toda a série e que a transformam, pra mim, em uma das melhores sitcoms já produzidas.

O primeiro episódio

O piloto precisava nos colocar no contexto em que acontece a série, e nos apresentar aos personagens e sua personalidades e maneirismos nos pouco mais de 20 minutos do capítulo. Funciona bem, apresenta um grupo composto pelo romântico incurável, o casal perfeito e apaixonado, o mulherengo incorrigível e sacana e a garota nova na cidade. Funciona quase que instantaneamente.

Apostapa

Slap Bet é o nono episódio da segunda temporada, e ele inicia uma das piadas mais legais e recorrentes da série: a aposta do tapa, que começa para descobrir o porquê da Robin (Cobie Smulders) não gostar de shoppings. Como se não bastasse, é nesse episódio que descobrimos o passado “cheio de brilho” da Scherbatsky. É um dos episódios mais engraçados do programa.

Som de vidro quebrando

Spoiler Alert é um dos meus episódios favoritos e me deixou com a sua mixagem de som instalada pra quando momentos como os do episódio acontecem. Ted apresenta uma nova namorada Cathy ao grupo e eles percebem algo de errado com ela, mas decidem não contar a ele. Ao mesmo tempo, os amigos vão denunciando uns aos outros suas manias e quebrando a magia entre eles com seus defeitos, com direito a som de vidro quebrando a cada nova descoberta.

Contagem Regressiva

O episódio que mostra a morte do pai do Marshall (Jason Segel) é um dos mais tristes e profundos de toda a série, e o episódio que o sucede com o funeral também é bastante emocional. Além da já conhecida contagem regressiva de 50 até 0, a reação genuína de Marshall na cena e o seu discurso sobre as últimas palavras de seu pai são altamente realistas. Quem, como eu, já perdeu alguém próximo, sabe que aquela reação do personagem foi totalmente fiel ao que é de verdade. Mais uma vez, a série teve a sensibilidade de lidar com a morte com a devida sensatez.

 

Nada cai tão bem quanto um terno

Os musicais são alguns dos pontos altos da série, e esse que é liderado pelo meu personagem favorito, Barney (Neil Patrick Harris) é com certeza um dos melhores momentos. Nesse episódio, os dois maiores amores dele são colocados em choque: garotas e ternos. A ternodependência do Barney e até o seu esconderijo secreto pra um deles no McLaren’s mostram o amor dele pelas peças e até onde ele está disposto a se sacrificar por mulheres.

O segundo mais longo da vida

Nem tudo foram flores pro garanhão da série. Barney e Robin voltam a ficar juntos em um episódio da sétima temporada, e então eles combinam que vão terminar seus respectivos relacionamentos para ficarem juntos. Barney termina com Nora, e quando vai dar a notícia e esperar a resposta de Robin, um aceno com a cabeça se torna um segundo longo de tristeza pro cara. Pra mim, foi mais triste até que a separação da Lily (Alyson Hannigan) e do Marshall.

Highway to Hell

Em Simphony of Illumination, o episódio tem a Robin como narradora contando a história de como conheceu o pai dos seus filhos. Porém, descobrimos ali que ela não pode ter filhos. Apesar da tristeza, o episódio encerra de uma forma bonita, mostrando uma decoração de luzes movida a Highway to Hell criada por Ted para animar a amiga. A série é muito sobre isso, os contratempos da vida e como podemos superá-los.

The Final Page

Os dois episódios que mostram como Barney pede Robin em casamento são a síntese do que Swarley pode fazer quando se dedica e ama de verdade uma mulher. Sem perder seu jeito de agir, ele manipula as pessoas à sua volta e conduz Robin até o momento do pedido, e faz isso de uma maneira realmente surpreendente.

La vie en rose

Esse talvez seja o momento mais lembrado da série, seja por contar mais da história da Mãe (Christin Millioti) ou pela música ao final. Uma das cenas mais emblemáticas da série, onde Tracy toca e canta La vie en rose na sacada da pousada, com Ted do outro lado da mureta ouvindo a tudo. Simples e bonito.

The Time Travelers

Nesse episódio, Ted está em dúvida entre ficar em casa ou sair com Barney, e isso é desmentido depois, quando é mostrado que na verdade Ted estava sozinho, divagando. No momento mais marcante do episódio, Ted se imagina correndo até o apartamento de Tracy, contando a ela que eles se conheceriam em 45 dias e teriam uma linda história, mas que ele não quer esperar e quer aproveitar também esses dias. Isso se torna ainda mais triste quando lembramos do final da série (com o qual eu não concordo, mas isso é papo pra depois).

Lebenslangerschicksalsschatz

O discurso de Klaus para Ted em Farhamptom serve até hoje como declaração de amor entre casais (é só dar uma olhada nos comentários do vídeo da cena). Basicamente, a fala do personagem explica que podemos ter mais de um amor na vida, mas apenas um vai ser o maior e mais importante de todos, não importa o que aconteça.

Por essas e outras, HIMYM é uma série tão divertida e cheia de grandes exemplos de como a vida pode ser boa, apesar de todas as dificuldades, e que acreditar em si e no amor sempre vai render alegri e felicidade. Viva How I Met Your Mother!

Conteúdo Relacionado