Raio X | Como Logan pode mudar as adaptações de quadrinhos

27/02/2017 às 23:32hs

Hype lá em cima, críticas acima da média, trilha sonora espetacular, visual apocalíptico. Logan ainda nem estreou e já traz toda a atmosfera de um filme de quadrinhos que fará tudo que os outros não fizeram, mas por que?

Wolverine é um personagem que sofreu no cinema. Tudo bem que o personagem é caricato, mas na maioria de suas adaptações, o carcaju parecia fora do tom esperado pelos fãs. Talvez a adaptação que mais chegou perto da essência do personagem e de sua carga dramática foi Wolverine – Imortal (apesar daquele final bem ruim), que foi dirigida por James Mangold, responsável por nos trazer agora essa adaptação de Old Man Logan.

Mas o que tudo isso tem a ver com legado? A Fox, na verdade, não costumava muito respeitar o legado de seus personagens, como Ciclope, que de líder dos X-Men nos quadrinhos, se tornou um banana nos primeiros filmes da franquia.

Com Logan não foi muito diferente. Apesar de ter encontrado seu perfeito intérprete (Hugh Jackman chuta bundas), o personagem sofreu muito com visões deturpadas da sua essência, o que nos trouxe pérolas como X-Men Origens: Wolverine (oremos).

Apesar de todos os erros, foi em Deadpool que o estúdio, ao que parece, encontrou sua fórmula perfeita. Quer dizer, nem é exatamente uma fórmula. A Fox finalmente entendeu o poder das obras que têm nas mãos e resolveu ser fiel a elas. Como resultado, o Mercenário Tagarela teve um filme para maiores e explodiu a bilheteria. Mas isso ainda não era o suficiente, e é aí que Logan entra na jogada.

Deadpool fez sucesso, mas não era o tipo de personagem que levaria todos ao cinema. Logan é. Esse longa representa um marco para os quadrinhos, pois pega um personagem que está entre os mais conhecidos do público, o coloca num filme com censura alta e de quebra, segue (na medida do possível) fiel à sua obra original.

Logan pode colocar a Fox em um patamar inimaginável a alguns anos: Com qualidade de adaptação igual ou superior à do Marvel Studios.

Sabe aquela Fórmula Marvel que todo mundo fala? Então, a Fox resolveu ignorá-la. O filme é pro público, mas é principalmente pro fã. Nesse ponto, Logan tem muito a ensinar à Disney e Warner.

Ainda há espaço para criar e inovar, mas o fã sempre vai querer ver seu herói favorito representado genuinamente.

A partir de agora, as adaptações terão que se adequar à esse novo status quo, onde o fã sabe exatamente o que quer ver, e sabe como o estúdio deve fazer para entregar. Ou é isso, ou essa “indústria de filmes de quadrinhos” vai decair. Com tantos filmes novos do gênero todos os anos, uma hora a exigência iria subir, e essa hora chegou.

De tanta porrada que levaram, Fox e Wolverine finalmente encontraram o perfeito equilíbrio entre cinema e quadrinhos. DC e Marvel Studios que acompanhem, ou ficarão pra trás.

Agora, nos resta torcer que o estúdio use a sua fórmula também nos filmes de equipe dos X-Men, ou mesmo que resgate o Quarteto Fantástico de vez. A fórmula tá aí, e olha, não é muito difícil de seguir não.

Conteúdo Relacionado

Cinema

O êxito da Ford sobre a Ferrari

Velocidade e adrenalina em meio a corridas frenéticas sempre foi muito abordado na cultura pop, principalmente no cinema, no qual tem uma legião de fãs amantes de filmes focados em rachas com carros incríveis. Apesar de todo ano os estúdios levarem aos cinemas diversos longas com a temática do automobilismo, Velozes e Furiosos acabou ganhando […]

Cinema

Upgrade – Crítica

Confira a crítica de um dos melhores filmes de ação e ficção científica de 2018 ( e que pouca gente viu!)