Crítica | Velozes e Furiosos 8

25/04/2017 às 14:14hs

A franquia Velozes e Furiosos merece reconhecimento, pois dentro de um mercado que se satura facilmente, conseguiu se reinventar em si mesma e hoje chega ao oitavo filme, com planos até o décimo. Com uma estética e ideias totalmente diferentes do primeiro, atualmente a franquia é sinônimo de brucutus se socando à moda antiga, humor e cenas impossíveis.

Após a morte de Paul Walker em 2013, parecia difícil prolongar o fôlego da fórmula por muito mais tempo, e de fato era, mas a Universal soube resgatar dentro de si própria o combustível para continuar. A série não se leva a sério e se mostra quase uma comédia de ação nos seus últimos 4 filmes. Com a família como pano de fundo, Velozes se readequou após o 4º filme e a partir disso se reciclou.

É notório que o oitavo filme sofreria para lidar com a ausência de Brian O’Conner (Paul Walker) na trama após a saída honrosa dada ao seu personagem em Velozes 7. Mesmo assim, a família ainda é tema aqui, quando Dom (Vin Diesel) se volta contra sua equipe e passa a trabalhar com a cyberterrorista Cypher (Charlize Theron). Apesar de ainda usar o tema, o longa apresenta alternativas ao drama que já foram usadas antes, porém de forma diferente.

A relação entre Hobbs (The Rock) e Deckard Shaw (Jason Statham) é hilária e cheia de piadas depreciativas. Talvez seja a relação melhor trabalhada no filme. Tej (Ludacris) e Roman Pierce (Tyrese Gibson) continuam sendo os alívios cômicos, mas dessa vez quase sempre com piadas envolvendo Megan (Nathalie Emmanuel), o que acaba sendo um pouco cansativo. Já Charlize entrega uma vilã melhor trabalhada do que os seus antecessores, mesmo tendo 90% (ou mais) de suas cenas num mesmo lugar ou em ambientes parecidos. A equipe da vilã também não convence, nem mesmo Rhodes (Kristofer Hivju, o Tormund de Game of Thrones) se mostra uma ameaça. Basicamente, não há nenhuma equipe para combater Toretto caso ele se volte contra a vilã.

Mas já faz algum tempo que Velozes não é sobre história e vilões. A saga é sobre a família de Toretto e cenas de ação impossíveis e surreais. Já tivemos um cofre cruzando o Rio de Janeiro, uma corrida com um avião cargueiro, carros saltando de paraquedas e saltando entre prédios. Agora, um submarino compete contra os super motores dos heróis, além de descobrirmos que o GPS dos carros modernos podem os transformar em zumbis, se uma hacker tão habilidosa quanto a vilã do longa quiser. São conceitos novos e extremamente interessantes de se assistir.

Um ponto a se destacar aqui é a inclusão do personagem de Scott Eastwood, que apesar de ter alguns bons momentos de humor com Roman Pierce, parece estar ali unicamente para substituir Brian na trama. Do biotipo à origem policial, e até ao fato de ser um bom piloto, o personagem parece ser um O’Conner 2.0. Talvez sejam atribuídas a ele as cenas de ação planejadas para Paul Walker nos próximos dois filmes.

A sensação que fica ao fim de Velozes 8 é a de que a fórmula está se desgastando, mas talvez ainda haja fôlego para terminar no décimo filme. A fórmula diverte, surpreende com suas cenas e emociona com o conceito familiar, mas não se sabe até onde vai funcionar. É um bom começo de um final que, se continuar brincando com o impossível, vai terminar com uma corrida entre naves no hiperespaço.

Conteúdo Relacionado

Cinema

O êxito da Ford sobre a Ferrari

Velocidade e adrenalina em meio a corridas frenéticas sempre foi muito abordado na cultura pop, principalmente no cinema, no qual tem uma legião de fãs amantes de filmes focados em rachas com carros incríveis. Apesar de todo ano os estúdios levarem aos cinemas diversos longas com a temática do automobilismo, Velozes e Furiosos acabou ganhando […]